AS MARCAS DE JESUS
Paz, a todos os corações e Deus esteja com todos.

Palavra do jovem e palavra de Deus todo domingo.

Eldier






CCB: edificação ou destruição?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

CCB: edificação ou destruição?

Mensagem por Admin em Sab Nov 05, 2011 8:11 pm


" É esta a terceira vez que vou ter convosco; na boca de duas ou três testemunhas se afirmará toda a palavra. Já o disse de antemão e de antemão torno a dizer, como quando estava presente a segunda vez e agora ausente, àqueles que já antes pecaram, e a todos os mais que, se for ainda outra vez, não os pouparei, desde que buscais uma prova de que é Cristo o que fala em mim, o qual para convosco não é fraco, mas em vós é poderoso " 2 Cor. 13-1 a 3

Com essas palavras, o apóstolo Paulo começa o último capítulo, da segunda (e última carta) escrita a congregação de Corinto. Na segunda vez em que ele conversou com a congregação, sobre as atitudes dos membros pecadores, parece não ter surtido nenhum efeito, logo, a carta escrita se torna a terceira interpelação do apóstolo, para provar a todos que Jesus Cristo estava falando na sua boca, e que o próprio Salvador concedeu o direito do apóstolo interferir, nas questões que poderiam prejudicar a igreja.

Percebemos que na primeira vez, Paulo não condenou ninguém.

Na segunda vez, utilizou o mesmo procedimento.

Na terceira vez foi que então, ele manifestou que não pouparia ninguém, que tudo seria confirmado com testemunhas, na apuração ( e veracidade ) de todos os pecados cometidos.

Pergunto: Qual ancião age estritamente com esse zelo?

Quando foi que algo semelhante aconteceu na congregação, de um ancião por três vezes, julgar de maneira correta o pecado de um membro?

O apóstolo continua as instruções, falando de Jesus Cristo:

" Pois, na verdade, foi crucificado em fraqueza, mas vive pelo poder de Deus. Da mesma forma, somos fracos nele, mas, pelo poder de Deus, viveremos com ele para servir a vocês. Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem-se a si mesmos. Não percebem que Cristo Jesus está em vocês? A não ser que tenham sido reprovados! E espero que saibam que nós não fomos reprovados " 2 Cor. 13- 4 a 6

A grandeza dos conselhos é notória, evidente que Jesus é poderoso para julgar, tudo aquilo que acontece dentro da igreja, fraco realmente são os homens, que não compreendem a missão de salvar. Jesus se tornou pecado, revivendo pelo poder de Deus, para dar vida a todo aquele que crê.

Do mesmo modo somos fracos, mas, o mesmo poder que ressuscitou Cristo, age em nossos corações, para termos liberdade diante de Deus. Ele concedeu a homens como Paulo, o direito de cuidar do rebanho, e quando ele diz, "viveremos com ele para servir a vocês", demonstra que suas ações, serão conforme a Cabeça de Cristo. Por tal motivo ele pediu para que todos se examinassem, a fim, de verificar se continuavam na fé, ou, se na verdade já estavam reprovados.

Reflita na pergunta: "Não percebem que Cristo Jesus está em vocês? "

Ora, o justo não pode ser reprovado, nem mesmo o homem, tem direito de reprová-lo, fazendo com que ele assine uma ata, abrindo mão de pertencer a "igreja de Deus na terra". O apóstolo mesmo afirma, que reprovados são aqueles que não tiveram Cristo formado dentro de si, entretanto, o justo poderá cair, mas, poderoso é Deus para o firmar.

" Porque o justo cai sete vezes e se torna a levantar, Mas os perversos são derrubados pela calamidade" Provérbios 24-16

Deus é misericordioso, o homem vacilante.

Paulo avisou a Timóteo para não ser precipitado nos julgamentos:

" Não se precipite em impor as mãos sobre ninguém e não participe dos pecados dos outros. Conserve-se puro... Os pecados de alguns são evidentes, mesmo antes de serem submetidos a julgamento; enquanto que os pecados de outros se manifestam posteriormente. Da mesma forma, as boas obras são evidentes, e as que não o são não podem permanecer ocultas " 1 Tim 5-22,24,25

Mas, raramente esses conselhos são seguidos pelos anciões da ccb.

Quantas coisas permanecessem ocultas em nosso meio.

Tudo o que provém do púlpito é uma precipitação desnecessária, colocando a irmandade em pânico, principalmente em questões relacionadas ao adultério (ou fornicação), que nem mesmo na assembléia de Atos, se percebeu tamanho empenho para se tirar a liberdade de alguém.

A carta dos apóstolos dizia:

" Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não impor a vocês nada além das seguintes exigências necessárias: Abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual. Vocês farão bem em evitar essas coisas. Que tudo lhes vá bem " Atos 15-28 a 29

Não existe nenhuma menção a exclusão, aqui fica notório o cuidado com o rebanho, procurando não impor exigências desnecessárias, que mais produzem destruição, do que edificação.

Vamor retornar ao raciocínio de Paulo, continua ele:

" Agora, oramos a Deus para que vocês não pratiquem mal algum. Não para que os outros vejam que temos sido aprovados, mas para que vocês façam o que é certo, embora pareça que tenhamos falhado. Pois nada podemos contra a verdade, mas somente em favor da verdade. Ficamos alegres sempre que estamos fracos, e vocês estão fortes; nossa oração é que vocês sejam aperfeiçoados " 2 Cor. 13-7 e 9

Qual é o teor da oração dos anciões da ccb? Evidente que muitos não estão de acordo, com o método que destrói almas. Paulo desejava não ser aprovado, mas, se alegrava quando estava fraco, e a igreja forte e aperfeiçoada.

Paulo desejava que a igreja fizesse o que era certo, não mediante o seu pensamento, mas, mediante a vontade do Deus Todo-poderoso. Ele não estava criando um exército de pessoas, que desprezariam aqueles que pecaram, ele estava unindo todos, para que tivessem a verdade, baseada na Verdade, que é exatamente Cristo.

E qual seria o motivo, pelo qual ele escreveu tantas cartas?

O intuíto de Paulo foi de conservar a igreja, mediante a sã doutrina, que ele mesmo recebeu de Cristo:

"Por isso escrevo estas coisas estando ausente, para que, quando eu for, não precise ser rigoroso no uso da autoridade que o Senhor me deu para edificá-los, e não para destruí-los. Sem mais, irmãos, despeço-me de vocês! Procurem aperfeiçoar-se, exortem-se mutuamente, tenham um só pensamento, vivam em paz. E o Deus de amor e paz estará com vocês " 2 Cor. 13-10 e11

O apóstolo tinha autoridade para edificar...não para destruir.

O rigor de Paulo difere muito, de alguns tipos de anciões, cooperadores, cooperadores de jovens, que se acostumaram a enfraquecer o rebanho. E pensar que Paulo preferia estar fraco, enquanto o rebanho estivesse forte em Cristo.

Ele orava para o rebanho, não para que ele mantivesse, sua atenção restrita as regras dos homens, mas, percebemos que na sua despedida, o seu interesse era o aperfeiçoamento mútuo, através de um pensamento apenas: que JESUS é o que detém a primazia de tudo.

Hoje tudo o que vemos nos templos, são monólogos, e mais monólogos, vivemos para ouvir um ancião, com o dom da oratória, isso não significa que ele saiba o que está falando. Viver em paz na idéia do apóstolo, nada tem haver com cultos de falsa humildade, com as famosas visagens dos anciões, com palmas, ou propriamente manifestações de línguas bem estranhas.

Tudo é muito belo, para os não pecadores.

Não existe nenhuma palavra, para os pecadores, verificamos nos dizeres de Paulo, que ele se importava com todos dentro da igreja.

Aqueles que cometeram pecados, tem no máximo o direito de sentar no último banco, tendo uma famosa frase ressoando em seus ouvidos, "Quem sabe Deus tenha misericórdia, porquê nós já julgamos sua alma, e aqui você não tem mais lugar".

Como alguém pode dizer que alguém está fora da comunhão?

Realmente isso só acontece nas igrejas do homens.

Disciplina digna de destruição.

Uma alma ser desprezada, indica o nível de aperfeiçoamento, que o ministério se encontra atualmente, não tendo a coragem de se rebelar contra tais atitudes.

Paulo então encerra o último capítulo, da última carta escrita a igreja de Corinto:

" Saúdem uns aos outros com beijo santo. Todos os santos lhes enviam saudações. A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês " 2 Cor. 13-12 a 14

Esse foi o rigor de um apóstolo que edificou a igreja, segundo a vontade de Jesus Cristo.


Eldier.[/justify]

Admin
Admin

Mensagens : 3139
Data de inscrição : 09/07/2010

http://ccbnovascriaturas.forumeiro.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CCB: edificação ou destruição?

Mensagem por Admin em Seg Nov 07, 2011 9:36 pm

Reflexão.

Deus esteja com todos.

Admin
Admin

Mensagens : 3139
Data de inscrição : 09/07/2010

http://ccbnovascriaturas.forumeiro.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum