AS MARCAS DE JESUS
Paz, a todos os corações e Deus esteja com todos.

Palavra do jovem e palavra de Deus todo domingo.

Eldier






CCB: igreja ou seita?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

CCB: igreja ou seita?

Mensagem por Admin em Qui Dez 15, 2011 2:24 pm


Crítica aos Tipos Igreja/Seita para o Estudo de Grupo Religiosos (caracterização da Congregação Cristã no Brasil )




Reginaldo José dos Santos Júnior


É alvo da ciência poder explicar a realidade. Para isso ela lança mão de teorias, de tipos ideais, de paradigmas. Como diz Kuhn, [1] os cientistas propõem, definem e buscam respostas para os problemas a partir de paradigmas, isto é, pressupostos assumidos e transmitidos pela comunidade científica. Por isso, de tempos em tempos é necessário rever os paradigmas, uma vez que eles podem já estar superados, não conseguindo mais “laçar” a realidade. Isso porque a realidade não é estática, principalmente no caso da religião, que está visceralmente vinculada à cultura de um povo em um determinado lugar e momento. É por isso que um tipo construído outrora e que dava conta de explicar aquela realidade, torna-se obsoleto.

A partir disso, as questões propostas dentro da temática desta monografia são: Não terá isso acontecido com os tipos ideais igreja/seita, ou nos termos de Kuhn, paradigma igreja/seita? Não parece que esse processo de obsolescência aconteceu com os tipos igreja/seita, que pode ter conseguido dar conta das vivências e organizações religiosas outrora, mas que com o aumento da diversificação litúrgica e conceitual atual dos grupos religiosos, os tipos igreja/seita não conseguem mais abarcá-los? Ademais, a apropriação eclesiástica com fins apologéticos desse paradigma, não tornou esses tipos inadequados como instrumento científico?

Para dar conta dessa problemática, esta monografia está estruturada para primeiramente descrever os tipos ideais de igreja e seita, tanto no campo das ciências sociais, quanto no da teologia eclesiástica. Depois se procederá à crítica sobre o paradigma igreja/seita para o estudo dos grupos religiosos. Para isso serão aplicados esses tipos à Congregação Cristã no Brasil para ver se eles dão conta de abarcá-la identificando-a com um ou outro tipo.



2 CONCEITO DE IGREJA


2.1 Sociológico

Será usado Troeltsch como base para o desenvolvimento do paradigma igreja porque ele é, reconhecidamente, o teórico que elaborou detalhadamente e difundiu o paradigma seita. Como esses tipos igreja/seita são definidos dialeticamente um em função do outro, e como o gradiente seita será abordado a partir de Troeltsch, pela razão acima citada, então, para haver uma relação-contraste mais direta entre um e outro conceito, que facilitará a compreensão de ambos os tipos, optou-se por ele também aqui para o conceituação do paradigma igreja.

Segue abaixo o resumo da concepção de igreja em Troeltsch. Neste resumo tentou-se preservar a literalidade das expressões do texto de Troeltsch para que se tenha, a partir do próprio autor, a concepção de igreja dele. [2]

A igreja é uma organização fundamentalmente conservadora, que até certo ponto aceita a ordem secular e domina as massas e tem pretensão universal – ou seja, deseja abarcar a totalidade da vida da humanidade. Ela incorpora o Estado e as classes dominantes, estabiliza e determina a ordem social. Além disso, encara toda ordem secular como meio e preparação para o objetivo sobrenatural da existência. Por isso incorpora o ascetismo genuíno à sua estrutura como um elemento desta preparação. Ascetismo esse que é um método de adquirir virtude e o ápice da realização no campo da religião. Ademais, a igreja pressupõe a vida do mundo como pano de fundo, por isso ela tem uma moralidade média – mantém relações relativamente boas com o mundo. Sua essência é o seu caráter institucional, objetivo, e dela o indivíduo passa a fazer parte ao nascer. Nela, o sacerdócio e a hierarquia representam o tesouro objetivo da graça. Daí porque a despeito de todas as deficiências individuais, a instituição permanece santa e divina.

Thomas F. O’Dea [3] apresenta esquematicamente a concepção Troeltschiana de igreja assim:

a participação de fato se baseia no nascimento;
administração dos meios formalizados de graça e suas conseqüências sociológicas e teológicas – hierarquia e dogma;
amplitude de estrutura social, que freqüentemente coincide com fronteiras geográficas e étnicas;
orientação para a conversão de todos;
tendência para ajustar-se com a sociedade existente, aos seus valores e instituições, acomodando-se a ele.
A característica básica do tipo igreja é sua acomodação à sociedade inclusiva e seu caráter institucional objetivo. Disso decorre que a igreja justifica o status quo predominante da sociedade. Assim se dá porque seus membros tornam-se parte dela pelo nascimento. Sendo assim, o processo educativo-socializador, ou o habitus, no sentido bourdiano – estrutura estruturada e estruturante, segue, desde a infância do indivíduo, os padrões próprios da sociedade tradicional. Daí o porquê do conservadorismo da igreja. Ela mantém socialmente relações orgânicas com a classe dominante.

Com essa análise do núcleo do conceito de igreja em Troeltsch concordam, entre outros, Beatriz de Souza “a igreja busca acomodar-se ao status quo predominante na sociedade” [4] ; Julio de Sant’Ana “a igreja, portanto, manifesta-se por meio do respeito à tradição” [5] ; Leonildo Campos “a igreja... representa também a tendência de entrar ‘em acordo com o Estado, interpretando-o como uma instituição estabelecida e permitida por Deus’.” [6]



2.2 Teológico-apologético

À guisa de esclarecimento, é preciso dizer que teológico-apologético está sendo usado aqui para referir-se à postura de teólogos eclesiásticos que tematizam igreja/seita para qualificar o seu grupo e desqualificar aqueles que contradizem ou se opõem às suas doutrinas e práticas fundamentais. Fazem isso porque entendem a sua instituição e as congêneres a ela como sendo igreja. Nesse sentido, igreja/seita deixa de ser tipos científicos que buscam descrever para ser tipos teológico-apologético que buscam valorar para se defender e atacar. Portanto, independentemente se católico romano, pentecostal ou protestante tradicional, se trabalha o conceito igreja para identificar a si mesmo, e nessa perspectiva qualificando-se como melhor e superior, então, está enquadrado no gradiente teológico-apologético.

Independentemente da especificidade do conceito de ekklesia para cada grupo religioso, que para os católicos romanos é sacramento [7] e que para os protestantes em geral é veículo da graça [8] , que aparentemente é conflitante, tem-se, no fundo, uma semelhança profunda no conceito: a formulação apologética. Isto é, cada um a seu modo justifica a si mesmo e repugna o outro a partir do seu conceito de igreja.

Resumidamente [9] , para a Igreja Romana o conceito de igreja, que é o conceito de si mesma é:

Igreja: povo congregado na unidade do Pai e do Filho e do Espírito Santo, enriquecida pelos dons do seu fundador e observando fielmente os seus preceitos de caridade, de humildade de abnegação, que recebe a missão de anunciar e estabelecer em todas as gentes o reino de Cristo e de Deus, e constitui ela própria na terra o germe e o início deste reino. Figuradamente a Igreja se apresenta como redil, lavoura, família, templo, esposa e corpo místico que é ao mesmo tempo visível e invisível e peregrina aqui na terra. Esta é a única Igreja de Cristo que subsiste na Igreja Católica governada pelo sucessor de Pedro e pelos bispos em comunhão com ele. Por isso, não poderão salvar-se aqueles que se recusam a entrar ou a perseverar na Igreja Católica, sabendo que Deus a fundou por Jesus Cristo como necessária à salvação.

Os protestantes operam, regra geral, com o conceito duplo de igreja: Igreja universal e igreja local. A igreja universal é composta por todas as pessoas que em todas as épocas se converteram a Jesus Cristo e a igreja local é a comunhão desses convertidos que passaram pelo batismo e ainda estão aqui na terra. O que une as duas é o fato de ter que haver uma conversão, isto é, a pessoa tem que, conscientemente, num certo momento da vida se converter [10] a Cristo. Mendonça captou o cerne desse conceito ao dizer que para os protestantes “igreja é a ‘comunhão de santos.’” [11] Assim, o conceito protestante também é apologético. Só os que estão nessa “comunhão de santos” pertencem à igreja verdadeira.



3 CONCEITO DE SEITA


3.1 Sociológico

A exposição do conceito de seita nas ciências sociais será feita a partir de Troeltsch. Isso porque Troeltsch se constitui num marco teórico no desenvolvimento do tipo seita, como já foi mencionado no início da discussão sobre igreja. Mesmo Max Weber, que é uma indiscutível referência no estudo sociológico da religião, tributou a Troeltsch o feito de ter desenvolvido tão bem o conceito de seita ao ponto de remeter o interessado no assunto à obra de Troeltsch [12] e não a algum texto seu. A definição Troeltschiana de seita é a seguinte: [13]

SEITA é um grupo relativamente pequeno de pessoas, que aspira à perfeição interior e renuncia à idéia de dominar o mundo e está ligado à classe dominada. Encaminha seus membros diretamente à meta sobrenatural da vida utilizando um vigoroso ascetismo como meio de atingir a união com Deus. Sendo esse ascetismo o princípio do distanciamento do mundo puro e simples. Isso porque o ideal ascético das seitas consiste apenas em oposição ao mundo e às suas instituições sociais. De um modo geral as características das seitas são: laicismo cristão, realizações pessoais nos campos da ética e da religião, um radical companheirismo de amor, igualdade religiosa e amor fraternal, indiferença em relação à autoridade do Estado e às classes dominantes, aversão a leis técnicas e juramentos, separação entre a vida religiosa e os conflitos econômicos através do ideal da pobreza e frugalidade, relações religiosas pessoais diretas, crítica dos teólogos e guias espirituais oficiais e o recurso ao Novo Testamento e à Igreja Primitiva:

Thomas F. O’Dea [14] apresenta, de modo esquemático, a idéia de seita em Troeltsch, assim:

separação com relação à sociedade geral, e afastamento ou desconfiança com relação ao mundo, suas instituições e valores;
“separatismo” em atitude e estrutura social;
acentuação da experiência de conversão, anterior à participação;
adesão voluntária;
espírito de regeneração;
atitude de austeridade ética, freqüentemente de ascetismo.
Parece que o núcleo do tipo seita para Troeltsch é o número reduzido de adeptos e sua oposição ao mundo secular. Noutras palavras é isso também que diz Beatriz de Souza “a seita destaca-se basicamente... por sua posição radical de não conformismo com os valores e padrões de comportamento da sociedade inclusiva.” [15]



3.2 Teológico-apologético

O tipo seita na concepção evangélica-protestante conservadora será feita a partir do Instituto Cristão de Pesquisa - ICP. A utilização do ICP justifica-se e é relevante nesta monografia porque atualmente essa instituição goza de grande credibilidade no meio protestante brasileiro, devido sua pretensa isenção em reproduzir a doutrina e a prática dos grupos religiosos analisados. Também porque é uma instituição que observa os princípios da teologia evangélica e protestante baseada e fundamentada na Bíblia Cristã. Coloca-se, assim, como expositora-representativa do conservadorismo e do fundamentalismo teológico [16] .

O ICP faz a distinção entre igreja e seita a partir da noção de ortodoxia e heresia como se pode observar no texto que segue: “Em termos teológicos, podemos dizer que seita refere-se a um grupo de pessoas e que heresia indica as doutrinas antibíblicas defendidas pelo grupo.” [17] Na seqüência de sua definição o ICP cita outras definições de seita endossando-as [18] :

Um grupo de indivíduos reunidos em torno de uma interpretação errônea da Bíblia, feita por uma ou mais pessoas – Dr. Walter Martin.

É uma perversão, uma distorção do Cristianismo bíblico e/ou a rejeição dos ensinos históricos da Igreja cristã – Josh McDoweell e Don Stewart.

Qualquer religião tida por heterodoxa ou mesmo espúria – J.K. Van Baalen.

Seu conceito apologético de seita, no livro citado, que tem preocupações catequéticas e didáticas, faz aparecer um esquema simplificador, baseado nas operações fundamentais da matemática, para identificação de seitas:

O método mais eficiente para se identificar uma seita é o de conhecer os quatro caminhos seguidos por elas, ou seja, o da adição, subtração, multiplicação e divisão. As seitas conhecem as operações matemáticas, contudo, nunca atingem o resultado satisfatório. [19]

Adição porque “somam algo à Bíblia”; subtração porque “tiram algo da pessoa de Jesus”; multiplicação porque “pregam a auto-salvação” e divisão porque “dividem a fidelidade entre Deus e as organizações”. [20]

Em síntese, seita é um grupo que nega ou contradiz as doutrinas bíblicas fundamentais do cristianismo. Doutrinas essas aceitas, vividas e pregadas pela verdadeira igreja cristã, representada pelos protestantes fundamentalistas.



4 CRÍTICA AOS TIPOS IGREJA/SEITA


a) Notas preliminares

Antes de se proceder à crítica propriamente dita sobre os tipos igreja/seita, será feita uma abordagem geral sobre a origem e o estabelecimento histórico-social desses tipos. A razão disso é que não se pretende descartar totalmente essa tipologia. O intuito é mostrar seus limites e daí, sua inadequação ao estudo dos grupos religiosos modernos. Mas reconhece-se como primeira aproximação, principalmente circunscrita ao cristianismo, que esse gradiente pode ser útil como instrumento panorâmico de análise.

Normalmente a seita surge como movimento, que com o passar do tempo, se tiver força para se estabelecer, torna-se igreja. O que a princípio era um grupo dissidente da norma, passa ser o grupo que impõe a norma. Em seguida, o processo tende a se repetir, aparentemente, ad infinitum. Nas palavras de Bourdieu:

“toda seita que alcança êxito tende a tornar-se Igreja, depositária e guardiã de uma ortodoxia, identificada com as suas hierarquias e seus dogmas, e por essa razão, fadada a suscitar uma nova reforma” [21]

Nenhum movimento permanece eternamente movimento. Ou ele se institucionaliza ou se dissolve. Essa parece ser a dinâmica do surgimento das seitas e conseqüentemente das igrejas. Igrejas entendidas enquanto grupos institucionalizados reconhecidos legitimamente pela sociedade na qual está inserida. E, seitas, grupos contestadores do status quo das igrejas – A seita é o tipo real que rejeita o ideal da sociedade.

O que determina se ocorrerá a institucionalização, neste caso, passagem ao status de igreja, ou a dissolução, é a força para fazer prevalecer o novo discurso. Se o novo grupo tiver poder para vencer o grupo estabelecido e confirmar o seu discurso, tornar-se-á, ele mesmo, a nova igreja.

Vale lembrar aqui que para Bourdieu o surgimento da seita se dá principalmente encabeçado pelo o que ele chama de profetas e feiticeiros. Uma vez que o profeta e o feiticeiro tem como traço comum a “oposição que fazem ao corpo de sacerdotes” [22] onde:

“o profeta afirma sua pretensão ao exercício legítimo de poder religioso entregando-se às atividades pelas quais o corpo sacerdotal afirma a especificidade de sua prática e a irredutibilidade de sua competência” e o feiticeiro “reponde de modo ininterrupto às demandas parciais e imediatas, lançando mão do discurso como se fosse uma técnica de cura entre outras e não como um instrumento de poder simbólico.” [23]

Essa concepção bourdiana é possível porque ele entende que o que mantém as instituições funcionando, entre elas a igreja, é a luta pelo poder no interior da própria instituição. A esse espaço de luta ele chama de campo.

“um campo se define entre outras coisas através da definição dos objetos de disputas e dos interesses específicos que são irredutíveis aos objetos de disputas e aos interesses próprios de outros campos. Para que um campo funcione, é preciso que haja objetos de disputas e pessoas prontas para disputar o jogo. [24]

No campo religioso, as personalidades fundamentais são os profetas, os feiticeiros, já mencionados, os sacerdotes e os leigos. Os sacerdotes trabalham para promover a manutenção do campo. Eles são constituídos pelos leigos que aceitam o seu discurso como legítimo, desde que ele se mantenha fiel à instituição. Como a criação de um campo legítimo se dá a partir da criação de um campo ilegítimo, o sacerdote desqualifica o profeta e o feiticeiro para confirmar a si mesmo e a instituição a qual representa. Como é ele quem detém o poder, define a si mesmo como ortodoxo e os seus concorrentes como hereges.

O leigo, isto é, aquele que não exerce nenhuma das três funções já citadas dentro do campo religioso, é peça fundamental no jogo porque o poder religioso é o “produto de uma transação entre os agentes religiosos e os leigos. [25] É nesse jogo de força, disputado pelos agentes religiosos, buscando legitimidade e reconhecimento dos leigos que se estabelece os movimentos, as instituições e os conceitos de igreja e de seita.



b) Congregação Cristã no Brasil

Tendo feito essa introdução geral ao tema, pode-se passar agora para a caracterização da Congregação Cristã no Brasil (CCB), a fim de testar os tipos para ver se eles dão conta de assumi-la.

Foi escolhida a CCB para o teste do paradigma porque ela tem um comportamento bastante próprio e uniforme internamente e marcas distintas em comparação ao chamado pentecostalismo brasileiro. Sua característica distinta, claramente perceptível, fornece ao pesquisador facilidade de manuseio e crítica.

Informa Célia Silva, [26] que a CCB é uma instituição religiosa pentecostal fundada em 1910 no bairro do Brás em São Paulo por Luis Francescon. No início, com o trabalho missionário voltado aos italianos, desenvolveu-se lentamente. Mas cresceu vigorosamente quando o seu sujeito social passou a ser os nordestinos na década de 50, chegando em 1992 a batizar 80.890 pessoas e abrir 386 novas casas de oração.

Conforme Paulo de Góes [27] , a CCB é uma instituição religiosa cuja força não está na organização, mas no discurso. Sua organização eclesiástica é bastante simples – praticamente nenhum valor dá à organização. Esse grupo religioso não se envolve externamente, nem promove internamente atividade comemorativa da sociedade considerada mundana. Até mesmo as comemorações universais do ocidente, como natal, são repudiadas por ela:

“A Congregação Cristã no Brasil não admite certos costumes como em alguns lugares se principia a participar, como seja a vigília do 1° do ano em cantos e orações assim como outras solenidades para comemorar festas materiais” [28] “... Quanto ao modernismo, compreendemos que somos chamados a andar com modéstia e honestidade, não imitando o mundo e seus costumes...” [29]

Além disso, das festas que ela admite, seus membros só participam daquelas realizadas dentro do círculo da “irmandade” – para usar o termo da própria CCB para referir-se a seus membros. Essa separação do mundo atinge não só as práticas sociais profanas, mas também a inter-comunicação com outros grupos religiosos, mesmo com protestantes pentecostais. A Congregação Cristã no Brasil “não admite aproximação e intercâmbio de idéias com as várias denominações protestantes, inclusive as pentecostais.” [30]

A CCB não é politicamente engajada. Não apóia candidatos a qualquer cargo político e destitui das funções eclesiásticas qualquer de seus membros que se envolve na política e que é eleito para vereador, prefeito, ou outro. Entretanto, aceita, obedece e não contesta o governo político de ninguém. Uma vez eleito o governante, ele é entendido como alguém que está ali por vontade de Deus. Por isso não se pode ir contra ele. Isso seria o mesmo que ir contra o desejo de Deus. Uma desobediência do crente:

“Na Congregação não são admissíveis partidos de espécie alguma; cada um é livre, cumprindo o seu dever de votar, que é uma determinação da lei... Quem ocupar cargos no ministério não deve aceitar encargos políticos. Não se deve permitir que candidatos e cargos políticos venham fazer propaganda ou visitar as casas de oração com esta finalidade...Os fiéis em Cristo, chamados a testemunhar o Evangelho a todas as nações têm que reconhecer autoridades e leis civis de qualquer nação...” [31]

Conforme Giamarco e Fonseca, a “maioria dos adeptos da CBB defende tenazmente a idéia errônea de que a salvação só é possível na sua própria igreja...” [32] Diferentemente das denominações protestantes históricas e tradicionais, não trabalha, soteriologicamente, com o conceito de conversão, mas de obediência. A pessoa é salva não porque se converte a Cristo, mas porque obedece ao seu chamado. A demonstração de que a pessoa obedeceu à convocação de Cristo é sua entrada para a CCB.

Giamarco e Fonseca [33] resumiram o corpo doutrinário da CCB, na prática, da seguinte maneira:

1.Só existe salvação na gloriosa congregação. Ela é a verdadeira graça, o tronco principal, as demais são apenas ramos;

2.o Espírito Santo dirige tudo: não é necessário se preparar, examinar ou meditar nas Escrituras Sagradas. Não se pode estudar a Bíblia, pois não foi feita para ser estudada, mas para ser obedecida;

3.só o batismo efetuado na CCB é verdadeiro;

4.está espiritualmente acima de qualquer outra denominação, porque é a única igreja em que as mulheres observam a prática do uso do véu no culto, conforme 1 Co 11.1-16.

5.a irmandade deve saudar com a “a paz de Deus”, e nunca com a “Paz do Senhor”, porque existem muitos senhores, mas Deus existe um só;

6.está espiritualmente acima de qualquer outra denominação, porque é a única igreja que observa a prática do “ósculo santo;”

7.é pecado dar o dízimo, porque o dízimo está na lei, e nós estamos na graça;

8.só existe um pastor da Igreja: Jesus Cristo. Os demais pastores são homens carnais;

9.não devemos pregar o evangelho, porque o evangelho não pode ser escandalizado: só se deve pregar se Deus mandar;

10.só podemos orar de joelhos.

Em seguida a esse resumo, na revista se escreve que o raciocínio básico da rejeição das demais denominações e o exclusivismo da CCB é: “se não é igual ao nosso ensino, logo está incorreto; sendo assim, não pode ser salva, e, se porventura tiver de ser salvo, virá para a Congregação.” [34]

Ainda outras informações são possíveis sobre a CCB, mas para o propósito desta monografia essas parecem suficientes para caracterizá-la. Por isso passa-se agora às críticas ao paradigma igreja/seita buscando demonstrar com a CCB a insuficiência desses tipos ideais para a análise dos grupos religiosos.



4.1 Sociológico

Toda tipologia tem relatividade espaço-temporal. Esquecendo-se disso, alguns cientistas sociais cometeram o que na lógica formal chama-se de generalização apressada. Isso porque pode-se aplicar bem a tipologia a um grupo num determinado lugar em um tempo específico, mas não a todos os lugares e em todos os tempos. Muito menos a todos os grupos religiosos. Se levado em conta esses cuidados pode haver rigorosidade e objetividade científica, mas fora dessas condições, qualquer tipo será inadequado. Além disso, nenhuma teoria dá conta de toda a realidade, mas apenas parte dela. A pretensão universalizante é um ideal, mas não corresponde a qualquer paradigma real. Afirmar um tipo universalmente, desconsiderando isso, é parir um natimorto.

Quanto à tipologia igreja/seita desenvolvida por Troeltsch, ela falha por desconsiderar que o fenômeno religioso não é tão estável quanto foi pressuposto. Se essa tipologia se justifica entre alguns grupos cristãos tradicionais e seus opositores diretos, não se justifica entre outros que fogem a essa caracterização. O objeto religioso não é tão uniforme como se pretende.

Rubem Alves critica o tipo ideal de Troeltsch por ele se basear na organização e o critério de se partir da organização, conforme Rubem Alves, é limitado:

“A tipologia de Troeltsch pressupõe que a forma de organização política e burocrática é fator determinante no comportamento do tipo. Igrejas exibem uniformidades comportamentais específicas, distintas das uniformidades comportamentais das seitas. Há, entretanto, certas peculiaridades comportamentais que não podem ser explicadas adequadamente pelo tipo de organização do grupo.” [35]

Usando-se, em confrontação com a CCB, duas características marcantes das seitas em Troeltsch – número reduzido de adeptos e contestação do mundo, nota-se a inadequação dessa tipologia. A CCB tem um número expressivo de adeptos. Como visto, seu crescimento após a década de 50 é enorme. Ela está entre os maiores grupos religiosos do Brasil. Isso mais é verdade se for restringida a análise ao Estado de São Paulo. Nesse caso, sua característica é mais própria de uma igreja. É isso também que percebe Beatriz de Souza: “a existência de forte contingente de integrantes da pequena burguesia, especialmente na Congregação Cristã do Brasil, seriam elementos mais característicos na aproximação da modalidade igreja.” [36]

Quanto a sua contestação do mundo, pelo menos politicamente, isso não se afirma. A CCB confirma teologicamente a ordem política vigente. Não se envolve em qualquer ação popular e política para mudar a situação social. De fato, a CCB confirma o status quo social. A partir disso, a CCB pode ser considerada uma igreja. Por outro lado, sua separação de tudo o que se considera profano e sua negação à integração social e religiosa, confirma sua contestação do mundo. Somado a isso, seu exclusivismo religioso, considerando-se a única forma de alguém encontrar a salvação e seu fortíssimo vínculo entre os membros, fazem-na ser considerada seita. É por isso que Beatriz de Souza diz que as características próprias e contrastantes da CCB “dificultam sua irrestrita colocação em um dos extremos do ‘gradiente’.” [37]

Ainda lembrando da característica da contestação como inerente à seita, pode-se ver essa inadequação do paradigma igreja/seita também observando que a igreja Católica Romana, que praticamente é enquadrada no tipo ideal igreja, em certo momento passa a ter o caráter contestatório, próprio de seita, como dá conta disso Camargo: “As novas dimensões do Catolicismo brasileiro mostram tendências de que a Igreja passa a assumir... formas contestatórias à situação vigente. [38]

Outra questão é que a institucionalização e sucessão das gerações que distinguiria igreja de seita, não ocorreu com a CCB. Ela se institucionalizou, tendo uma relativa burocracia e hierarquia eclesiástica, já contando com membros filhos de membros e mesmo assim, continua, em alguns pontos de seu comportamento, totalmente identificável a uma seita. Embasada na teoria de Joachim Wach, Beatriz de Souza [39] explica que a CCB, nesse ponto, permanece seita porque preserva certos pontos doutrinários fundamentais e evita influências externas que possam transformar a conduta dos fiéis.

A CCB não se deixa prender por um ou outro tipo. Com isso, pode-se dizer que a inadequação baseia-se no fato de que ora o grupo se comporta como igreja; ora como seita. Como num único e mesmo grupo religioso há comportamentos e crenças, que o caracterizam tanto como seita quanto como igreja, o paradigma perde sua cientificidade. Basta evocar aqui, para demonstrar isso, a filosofia da ciência de Karl Popper – Se há um elemento que falseia a teoria, portanto, não provando sua têmpera através do teste empírico, deve ser rejeitada como científica. [40]

Assim é que afirmando a CCB como seita, porque satisfaz a maioria dos critérios do conceito seita, mas encontrando-se nela algum comportamento próprio de uma igreja, então a teoria sobre sua identificação como seita fica falseada. Invertendo a caracterização, isto é, partindo-se dela como igreja e aplicando a mesma situação aplicada à seita, o falseamento se dá do mesmo jeito.

A não ser que se estabeleça um percentual de identificação com os critérios do conceito para que seja considerada igreja ou seita. Mas neste caso não se estaria resolvendo o problema, apenas deslocando-o e ampliando-o. Ademais, como chegar ao percentual representativo? A inadequação continuaria.



4.2 Teológico-apologético
O ICP [41] contrapõe à heterodoxia e heteropraxia das “seitas,” os conceitos e práticas do protestantismo histórico e pentecostal tradicional, fornecendo material apologético para assim chamadas igrejas evangélicas. Desse modo, com sua preocupação didática na apresentação e acuidade na descrição, o ICP se torna bom exemplo de que mesmo no meio teológico e apologético, o paradigma igreja/seita é inadequado. Para ele é questão existencial e fundamental conseguir identificar o grupo caracterizado como seita para alertar a “igreja fiel” sobre ele. Apesar disso, quando da análise da CCB, o IPC precisou admitir que os pontos de doutrina e da fé – uma espécie de credo ou declaração doutrinária escrita da CCB, faz com que a CCB seja admitida entre as não seitas.

“Como o leitor pode observar, os ‘pontos de doutrina e da fé’ da CCB são pontos semelhantes aos de qualquer denominação cristão tradicional, com exceção do artigo 7º que revela sua linha pentecostal.” [42]

Isso equivale dizer, que a CCB se identifica como não sendo uma seita. Ademais, o mesmo ICP diz mais adiante, que a CCB possui “um credo doutrinário não questionável, suficiente para ser classificada apenas como mais uma denominação cristã.” [43] Entretanto, no mesmo número desta revista, por outros de seus traços característicos, a CCB foi considerada seita: “a CCB está longe de ser uma igreja evangélica.” [44] Com isso negando-lhe o status de igreja e identificando-a como seita.

O mesmo ICP faz confusão com os termos igreja/seita noutra ocasião. Na primeira parte do primeiro livro da série apologética, destinada a, entre outras coisas, esclarecer os leitores sobre os conceitos igreja, seita, ortodoxia e heresia, havendo contradição conceitual.

É distinguido inicialmente seitas de religiões, mas toma-se estas por aquelas. Basta observar duas frases a seguir que se nota isso: “...existem milhares de seitas e religiões falsas...” [45] Com essa afirmação o ICP quer dizer que seitas são uma coisa e religiões outra coisa. Porém, mais adiante, fazendo uma classificação das seitas identifica o candomblé como uma seita também: “o Instituto Cristão de Pesquisas classifica assim as seitas:... Afro-brasileiras: candomblé...” Considerando que seitas não são religiões, mas subgrupos delas [46] , fica a pergunta: o candomblé é o subgrupo de qual religião? Essa é mais uma demonstração da inadequação do conceito igreja/seita para dar conta da análise dos grupo religiosos.

A CCB trem traços por demais próprios para se deixar laçar pelos tipos igreja/seita. Talvez seja mesmo melhor abandonar a tentativa de entendimento dela a partir desse postulado. Entretanto, diferentemente das ciências sociais, na teologia-apologética a questão dos tipos não é simplesmente de método, mas de necessidade de legitimação das chamadas igrejas históricas, que precisam fazer o discurso de desqualificação do concorrente para poder se legitimar – a ortodoxia tem necessidade da heresia para sobreviver. “Para que um campo funcione, é preciso que haja objetos de disputa e pessoas prontas para disputar o jogo.” [47] Por isso, a teologia não abandona esse gradiente.

O problema é que o conceito apologético de seita é baseado na contradição ortodoxia-heresia, que gera o conceito de seita como sendo: grupo que nega as doutrinas bíblicas fundamentais do cristianismo, e heresia, como o ensino contraditório com o ensino bíblico. Por isso se constitui em problema pois, quem define quem está em contradição? Qual critério usar para dizer, que este e não aquele grupo, é que está com a verdade?

A rigor, as respostas a essas perguntas não podem ser dadas teologicamente. Não podem, simplesmente, porque a questão de verdade e erro fora dos sistemas formais, fechados, não são questões metafísicas. Contrariamente à teoria escolástica da verdade, que ainda domina o pensamento fundamentalista, verdade não é a correspondência da proposição com a realidade. Isto é, ortodoxia e heresia são uma questão de força, não de contradição inerente às proposições aceitas ou negadas. Portanto, a relação de verdade e erro nos grupos se dá com o poder. Por isso, só podem ser resolvidos na base da sociologia e não da ontologia. Rubem Alves tem um parágrafo que expressa bem essa relação da ortodoxia e da heresia com a força, embora meio grande, será citado todo devido sua clareza:

“Assim, no confronto entre ortodoxia e heresia o que está em jogo é, em última análise, o conflito entre as opiniões mantidas como verdadeiras pela maioria, e as opiniões mantidas como verdadeira por um indivíduo. A heresia, portanto, é uma rebelião de um contra muitos. Ou, em outras palavras, uma rebelião dos fracos contra os forte...Na heresia, o indivíduo nega a pretensão de conhecimento absoluto de uma comunidade. O herege é aquele que diz aos muitos: ‘a sua forma de construir o mundo está equivocada; a sua verdade é uma mentira’. A heresia portanto, não é um simples ato intelectual. Trata-se de um ato de denúncia política. O herege é aquele que rejeita a verdade socialmente definida, isto é, aquela que é funcional a uma determinada situação de domínio político na instituição eclesiástica, em nome de uma verdade mais alta. Na heresia, revela-se um deslocamento no centro do sagrado: não mais o consenso político-social, mas uma experiência, no momento solitária, talvez individual, talvez compartilhada por poucos. O herege se afirma como alguém que tem uma verdade que a comunidade não possui. E, ao assim fazer, ele nega as pretensões sagradas da consciência coletiva... A intenção da heresia é sempre a de subverter uma visão de mundo, e, portanto, de construir o mundo de uma forma nova. Mas para uma instituição que equaciona conhecimento absoluto e salvação, implica em que a instituição se encontra ao lado da perdição.” [48]

Mais adiante ele continua:

“Heresia e ortodoxia são palavras criadas pelos ortodoxos. Mas, como já indicamos antes, ortodoxos são aqueles que tiveram o poder para impor as suas idéias. Heresia e ortodoxia têm muito pouco a ver com falsidade e verdade. São formas transversas de indicar perdedores e ganhadores... Vitória é interpretada como verdade, e a derrota é idêntica à falsidade... Assim a polaridade entre a ortodoxia e a heresia se revela como a polaridade entre aqueles que triunfaram – os muitos – e aqueles que perderam – os poucos: os que desejam preservar o passado e aqueles que desejam construir algo novo.” [49]

Ao desconsiderar esse aspecto da sociologia do conhecimento, o conceito teológico-apologético, que não serve como científico, deixa de servir também para a própria análise teológica. Qualquer grupo religioso pode reivindicar, teologicamente para si, o status de igreja e atribuir a seu concorrente o rótulo de seita. Aliás, isso se nota mesmo na CCB, como foi visto, que se identifica como igreja definindo os outros grupos religiosos como seita e dos protestantes históricos fazendo o mesmo com ela – rotulando-a de seita e definindo a si mesmos como igrejas. Também aqui, como na perspectiva sociológica, os tipos ideais igreja/seita são inadequados.



CONCLUSÃO
Apesar das críticas feitas, parece que é possível o uso desses tipos igreja/seita para uma noção geral dos grupos religiosos. Mas para ir a fundo na questão eles se tornam inadequados. Também é possível utilizá-los dentro do mesmo grupo religioso com os sub-grupos dissidentes, mas isso num instante primeiro da cisão. Além, de ter que ser observado sociologicamente, não apologeticamente, como os errados que saíram do meio dos certos.

Porém, como os tipos são relativos ao espaço e ao tempo, cabe ao cientista da religião estar atento às variações dos fenômenos, aplicando a eles constantemente a tipologia para ver se já não se tornaram (os tipos) anacrônicos ou estão deslocados. É necessário que se proceda assim, porque é fácil confirmar um tipo pelo uso de alguns exemplos que o favorece. Mas isso não se constitui em prova de cientificidade - sempre é possível conseguir um urubu preto para confirmar a teoria de que todos os urubus são pretos. Provar é fácil.

Com outras preocupações foi essa mesma a crítica de Ricoeur a Lévi-Strauss [50] . Para ele, Lévi-Strauss usou um exemplo por demais favorável à sua teoria para confirmá-la. Se tivesse usado o pensamento judeu ao invés do totemismo de uma área geográfica específica dos selvagens, a teoria estruturalista dele, em termos popperianos, teria sido falseada. Assim é que qualquer tipo ideal será falseado e desqualificado cientificamente se não puder dar conta do objeto ao qual se propõe estudar.

Devido os tipos de Troeltsch não dar conta de todos os grupos religiosos, mesmo dentro do cristianismo, como foi visto em relação à CCB, aplica-se a eles o que disse Rubem Alves, numa preocupação semelhante à de Ricoeur:

“Devemos exigir de um tipo o mesmo que se exige de uma teoria das ciências naturais: os fenômenos que são por ele cobertos devem exibir uma unidade de comportamento. Se isto não ocorre, isto é, se organizações que se afirmam pertencerem a um mesmo tipo não se comportam de forma semelhante, somos levados a concluir que o tipo não é adequado.” [51]

Isso traz como conseqüência a constatação de que os tipos são provisórios. Aliás pode-se aproveitar aqui a tendência atual no estudo do fenômeno religioso para dizer que o tipo é tão transitório quanto o fenômeno que ele tentar abarcar.

Mesmo assim, parece necessário construir tipos ideais. A realidade só se explica através de teorias. Tipos ideais são cordas que se usa para laçar a realidade. Porém, é necessário não esquecer que eles são limitados e apenas instrumentos para capturar o objeto. Não há tipo universal – nem geográfica nem temporalmente falando.

Em relação aos tipos igreja/seita, é bom ressaltar que no campo das ciências sociais, a crítica e o abandono deles para o estudo dos grupos religiosos, está mais sedimentada. Todavia, no campo eclesiástico-teológico, por fazer parte da manutenção do campo, continuam ainda sendo utilizados.

Isso talvez ainda continuará porque falta ao fundamentalismo teológico reflexão em torno da formação histórica do seu postulado. O conceito tipológico apologético advém da crença de que a distinção entre igreja e seita se faz pelo critério de verdade e não de poder. Há, portanto, uma ingenuidade sociológica por parte do postulado teológico. Ele não percebe que a determinação de ortodoxia e heresia – base do seu paradigma igreja/seita, é uma questão de força, portanto, social e não de verdade e erro.

Em relação ao ICP, seu método das operações matemáticas para identificação das seitas é espúrio. Sua frase citada no início que “as seitas conhecem as operações matemáticas, contudo, nunca atingem o resultado satisfatório” é apenas uma frase de efeito para impressionar e reforçar o condicionamento fundamentalista. Frase essa, que transmite uma sensação de certeza e segurança aos que com ele compartilham da visão apologética de seita e que se identificam como igreja em oposição a essas seitas. É um esquema forçado que só a muito custo faz aparecer a relação entre as operações fundamentais e as práticas da seitas.

A possibilidade de se corrigir a fraqueza do argumento teológico se dá através da reflexão profunda e desapaixonada quanto a ideologia que informa os “ortodoxos”. Só percebendo sua formação e condicionamento histórico é que se tratará o diferente como um igual e não como um inferior. Nos termos de Myrdal:

“A única forma pela qual podemos nos esforçar pela ‘objetividade’ na análise teórica é pelo processo de expor as valorações à luz, tornando-as conscientes, específicas e explícitas, e permitindo assim que elas determinem a investigação teórica” [52]



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALVES, Rubem. Protestantismo e repressão. São Paulo: Ática, 1979. (Col. Ensaios, 55).

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 5.ed. Trad. Sérgio Micelli et alli. São Paulo: Perspectiva, 1998. (Col. Estudos, 20)

_______. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

CAMARGO, Cândido P. (org) Católicos, protestantes, espíritas. Petrópolis: Vozes, 1973.

CAMPOS, L. Seita e igreja – Os limites do paradigma weberiano no estudo do campo religioso brasileiro. São Bernardo do Campo. Faculdade de Filosofia e Ciências da Religião da UMESP, 2002. (Texto não publicado preparado como anotações para aula na pós-graduação strictu senso em Ciências da Religião).

CONCÍLIO ECUMÊNICO VATICANO II. O mistério da igreja. In, Lumen Gentium. Constituição Dogmática sobre a Igreja. Trad. Tipografia Poliglota Vaticana. 7.ed. São Paulo: Paulinas, 1984.

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. Resumo da convenção realizada em fevereiro de 1936. 8.ed. São Paulo, 1994.

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. Resumo dos ensinamentos de março de 1948. 8.ed. São Paulo, 1994.

GIAMARCO, Josué; FONSECA, Alberto. Congregação Cristã no Brasil. Seita ou movimento contraditório? In, Defesa da Fé – Revista Brasileira de Apologética Cristã do Instituto Cristão de Pesquisa. São Paulo. Ano I, n.6, 1999.

GÓES, Paulo de. Congregação Cristã no Brasil: o poder do discurso sobre a organização. In, Estudos de religião. Revista semestral de estudos e pesquisas em religião. São Bernardo do Campo: Ciências da religião. Ano III, n.5, 1988.

INSTITUTO CRISTÃO DE PESQUISA. Como identificar uma seita. In, Série Apologética. São Paulo: ICP, v.I. 2001.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. Trad. Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 3.ed. São Paulo: Perspectivas, 1992. (Col. Debates, 115).

MENDONÇA, A. Seitas e igrejas. In, Estudos de Religião. Revista Semestral de Estudos e Pesquisas em Religião. São Bernardo do Campo: Ciências da Religião. Ano III, n.5, 1988.

POPPER, k. A lógica da investigação científica. In, Os Pensadores. Trad. Pablo Rubén Mariconda. São Paulo: Abril Cultural, 1975. (v. XLIV)

RICOEUR, P. Estrutura e hermenêutica. In, O Conflito das Interpretações: Ensaios de Hermenêutica. Trad. Hilton Japiassu. Rio de Janeiro: Imago, 1978. (Série Logoteca).

SANT’ANA, J. Igreja e seita (Reflexão sobre este antigo debate). In, Estudos de Religião. Revista Semestral de Estudos e Pesquisas em Religião. São Bernardo do Campo: Ciências da Religião. n.8, 1992.

SILVA, Célia. Tentativa de compreensão da instituição religiosa Congregação Cristã no Brasil. 1995.

SOUZA, B. A Experiência da salvação. Pentecostais em São Paulo. São Paulo: Duas Cidades, 1969. (Col. Religião e Sociedade, 1).

TILLICH, P. A era protestante. Trad. Jaci Maraschin. São Bernardo do Campo: Ciências da Religião, 1992.

TROELTSCH, Ernst. Igreja e seitas. In, Religião e Sociedade. Trad. Paulo Henriques Britto. Rio de Janeiro. n.14/3, 1987.

VELASQUES FILHO, Prócoro. Fundamentalismo: raízes histórico-teológicas. In, Estudos de Religião. Revista Semestral de Estudos e Pesquisas em Religião. São Bernardo do Campo: Ciências da Religião. Ano III, n.5, 1988.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad. M. Irene Szmrecsányi e Tomás Szmrecsányi. 15.ed. São Paulo: Pioneira, 2000. (Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais. Sociologia).

O autor é mestre e doutorando em Ciências da Religião pela UMESP. É também professor da Faculdade Teológica Batista de Campinas, São Paulo.


--------------------------------------------------------------------------------
[1] KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas, pp.29ss.
[2] O texto base para esse resumo-compilação foi a versão portuguesa publicada na Revista Religião e Sociedade, 14/3, 1987. pp.134ss, extraída da obra de Troeltsch The Social Teaching of the Christian Churches. 1931.
[3] O’DEA apud MENDONÇA, A. Seitas e igrejas. In, Estudos de religião. 1988, n. 5, p.79.
[4] SOUZA, B. A Experiência da Salvação. Pentecostais em São Paulo. p.83.
[5] SANTA ANA, J. Igreja e seita (Reflexão sobre este antigo debate). In, Estudos de religião, 1992, n. 8, p.15.
[6] CAMPOS, L. Seita e igreja – Os limites do paradigma weberiano no estudo do campo religioso brasileiro. 2002, p.1. (Texto não publicado preparado como anotações de aula).
[7] CONCÍLIO ECUMÊNICO VATICANO II. O mistério da igreja. In, Lumen Gentium. Constituição Dogmática sobre a Igreja. p.5.
[8] TILLICH, P. A era protestante. p. 227.
[9] Esse resumo é mais precisamente uma compilação, uma vez que procura reproduzir literalmente os termos do texto, apenas organizando-o, a partir de: CONCÍLIO ECUMÊNICO VATICANO II. O mistério da igreja e o povo de Deus. In, Lumen Gentium. Constituição Dogmática sobre a Igreja. p.8-25.
[10] Converter significa aqui ter um ato deliberado de se “entregar” a Cristo. Entregar-se é ter um experiência mística com Jesus crendo que foi salvo do castigo eterno por ele e que agora é uma nova criatura.
[11] MENDONÇA, A. Seitas e igrejas. In, Estudos de religião 5. 1988, p.83.
[12] WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. p.198.
[13] Essa definição é um resumo-compilação da versão portuguesa publicada na Revista Religião e sociedade, 14/3, 1987. pp.134ss, extraída da obra de Troeltsch The Social Teaching of the Christian Churches. 1931.
[14] O’DEA apud MENDONÇA, A. Seitas e igrejas. In, Estudos de religião. 1988, n. 5, p.79.
[15] SOUZA, Beatriz M. Experiência de salvação. Pentecostais em São Paulo. p.80.
[16] Conservadorismo entendido enquanto postura ideológica que crê que “o modernismo ameaçam a unidade, a pureza da fé e a própria existência do cristianismo e da civilização cristã e que pretende ser o verdadeiro cristianismo, limitando-se exclusivamente à Bíblia e à sua interpretação literal.” VELASQUES FILHO, Prócoro. Fundamentalismo: raízes histórico-teológcias. In, Estudos de reigião 5. 1988, p.38.
[17] INSTITUTO CRISTÃO DE PESQUISA. Como identificar uma seita. In, Série Apologética, v.I. 2001, p.16.
[18] Idem. Op. Cit., p.16.
[19] Idem. Op. Cit., p.18.
[20] Idem. Op. Cit., pp.18-25.
[21] BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. p.60.
[22] Idem. Ibidem.
[23] Idem. Op.cit. pp.60-61.
[24] BOURDIEU, P. Questões de sociologia. p.89.
[25] BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. p.92.
[26] SILVA, Célia. Tentativa de compreensão da instituição religiosa Congregação Cristã no Brasil. pp.52s. – A concepção de mudança do sujeito social da CCB Célia extrai de Antonio Gouvêa Mendonça e as estatísticas, do relatório anual publicado pela CCB.
[27] GÓES, Paulo de. Congregação Cristã no Brasil: o poder do discurso sobre a organização. In, Estudos de Religião5. 1988, p.26, 28,29.
[28] CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. Resumo da convenção realizada em fevereiro de 1936., 8.ed. São Paulo, 1994. p.9.
[29] Idem. Resumo dos ensinamentos de março de 1948. 8.ed. São Paulo, 1994. p.17.
[30] SOUZA, Beatriz M. Op.cit. p.73.
[31] CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. Resumo dos ensinamentos de março de 1948. 8.ed. São Paulo, 1994. p.14,18.
[32] GIAMARCO, Josué; FONSECA, Alberto. Op.cit. p.183.
[33] Idem. Op.cit. p. 181.
[34] Idem. Ibidem.
[35] ALVES, Rubem. Protestantismo e repressão. 1979, p28.
[36] SOUZA, Beatriz. Op.cit. p.79.
[37] Idem. Ibidem.
[38] CAMARGO, Cândido P. Católicos, protestantes, espíritas. 1973, p.41.
[39] SOUZA, Beatriz. Op.cit. p.82.
[40] Esse critério de resistência ao falseamento após passar por testes empíricos como meio de garantir a cientificidade de uma teoria foi desenvolvido por Popper em A lógica da investigação científica. A tradução para o português pode ser encontrada em Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975.
[41] Os textos de Giamarco e Fonseca na Revista Defesa da Fé estão sendo tomados aqui como expressão do pensamento do ICP, uma vez que eles escrevem a seu pedido e são endossados. Por isso em vez de citar os seus nomes, cita-se diretamente o ICP, uma vez que é em torno do pensamento dessa instituição que se está trabalhando o aspecto teológico-apologético nessa monografia.
[42] ICP-Revista Defesa da fé, 1999. n. 6, p. 180.
[43] Idem. Op.cit. p.181.
[44] Idem. Op.cit. p. 183.
[45] ICP-Série Apologética, v.1, p.12
[46] Isso é admitido pelo próprio ICP quando lembra que originalmente o cristianismo era considerado pelos líderes judaicos como mais um grupo dentro do judaísmo: Série Apologética, p.16.
[47] BOURDIEU, P. Questões de sociologia. p.89.
[48] ALVES, R. Protestantismo e repressão. p.272,273.
[49] Idem, p. 276.
[50] RICOEUR, P. Estrutura e hermenêutica. In, O conflito das interpretações. pp.37ss.
[51] ALVES, R. Op.cit. p.28.
[52] MYRDAL, G. apud ALVES, R. Op.cit. p.16.


Admin
Admin

Mensagens : 3191
Data de inscrição : 09/07/2010

http://ccbnovascriaturas.forumeiro.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum