AS MARCAS DE JESUS
Paz, a todos os corações e Deus esteja com todos.

Palavra do jovem e palavra de Deus todo domingo.

Eldier






Palavra de Deus/on line: Neemias 9 (nosso Deus, o grande, poderoso e terrível Deus)

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Palavra de Deus/on line: Neemias 9 (nosso Deus, o grande, poderoso e terrível Deus)

Mensagem por Admin em Dom Mar 23, 2014 4:33 pm





Palavra de Deus: Neemias 9:3-38 (Clique para Bíblia)



Graça e paz irmãos. Neemias o copeiro, servo de Deus exilado, dedicado a sua obra, virtuoso na restauração de uma nação arruinada. Depois que o Senhor moveu seu coração, impelido para a reconstrução de Jerusalém, depois da conclusão, procurou sem cessar, estabelecer novamente um culto digno aos olhos do Senhor. Não estamos isentos de algo destruir os muros que protegem a nossa alma, em algum momento, vai parecer que estamos exilados, claro, não somos tão diferentes de Israel, principalmente se esquecermos da doutrina de Cristo, isso pode, e muito, facilitar a destruição da nossa alma, cremos porém, que o Senhor jamais deixará que isso aconteça, alguém será enviado para nos auxiliar, na verdade, um enviado do céu, resolveu definitivamente a causa que estávamos presos, Jesus Cristo nos libertou do exílio do mundo, assim como Neemias, ele restaurou as esperanças, enquanto isso Deus já edificou no céu, a Jerusalém celestial, não igual a que Neemias se esforçou para reedificar, uma mais esplendorosa ,segura e eterna.

O texto é um pouquinho extenso, mais profundo e sublime em edificação, a comunidade outrora assolada pelo exílio, é convocada a levantar diante de Deus, bendizer o Senhor, toda a sua grandeza. O Deus que fundou o mundo, que chamou os patriarcas, todo povo é convocado a adorá-lo. O Espírito Santo faz um resumo maravilhoso, da fundação do mundo, ao chamado de Abraão, cujo coração foi encontrado fiel, para que Deus estabelecesse sua aliança. Irmãos e irmãs, amados do Senhor, ele também elegeu a ti, para ser participante da igreja, essa amada do Senhor, não será levada em cativeiro, o Salvador já a redimiu, diante dele ela é santa e irrepreensível. Os levitas proclamaram ao povo para louvar o Senhor, bendizer o seu poderoso nome, o Espírito Santo fez um resumo poderoso, passando pela fundação do mundo, até o chamado de Abraão, sua aliança, seu coração fiel, o cativeiro no Egito, os sinais e prodígios realizados diante de faraó, que assombrado liberou o povo para seguir rumo a terra prometida. A lembrança do mar que se abriu, para o povo passar em seco, é mencionada tal como o diácono Estevão também a faria futuramente (Atos 7:36), diante das lideranças de Israel, no seu discurso pleno de sabedoria. Uma lembrança dolorida, para os dias de glórias que já haviam passado, dias em que o Senhor os guiava por uma coluna de nuvem, e de noite por uma coluna de fogo para iluminar o caminho. Lembranças tais levaram a imaginação dos exilados para o momento, em que o Senhor desceu no monte Sinai, falando a toda comunidade, concedendo a ela seus mandamentos, através do ministério de Moisés. O maná, a água que saciou a sede, a terra prometida, tudo relembra o Espírito, até mesmo o endurecimento da cerviz, de um povo que não se dobrava, diante de um Deus riquíssimo em misericórdia.

Eles recusaram a ouvir a voz de Deus, as rebeliões não foram esquecidas, mas, como em toda a Escritura encontramos o perdão de Deus, os levitas relembram que Deus é perdoador, clemente e misericordioso, que tarda a sua ira, beneficia o homem no seu arrependimento, o ampara novamente se ele tiver coragem de voltar seu coração para Ele. O bezerro de ouro ficou marcado na história israelita, outras blasfêmias que eles cometeram, todavia, a multidão das misericórdias não deixou que eles permanecessem no deserto, a não ser os que pecaram contra Deus (1 Coríntios 10:5).

Caríssimos, todos nós temos uma história com o Senhor, nossa vida se divide no antes e  depois, antes sem conhecer o Senhor, depois conhecendo o Senhor. Não importa nossa descendência, nem a família em que nascemos, nenhuma das duas coisas, nos chamaram a graça do Senhor, isso é fato, é a verdade. Nossa aliança com o Senhor, não é realizada por intermédio dos homens, ela é realizada através da fidelidade do nosso coração, todos que são da fé, são igualmente descendentes de Abraão (Gálatas 3:7-9). Ainda que Israel pecou contra o Senhor, as colunas não se apartaram deles, para os guiar pelo caminho, dia e noite, o Senhor permaneceu ali. O Senhor traçou o caminho, o Senhor levou o povo até lá, mas um outro vivo caminho ainda haveria de se manifestar. No caminho o Espírito de Cristo ensinava o povo, o maná sustentava a carne, por quarenta anos o Senhor fez assim. Nada faltou para o povo, a não ser a vergonha de desonrar o Senhor, até mesmo as roupas não envelheceram, os pés não incharam, os reinos foram dados, as terras repartidas, os filhos multiplicados, santo é o Senhor. Tudo isso é lembrado diante do povo, séculos depois, nos dias de Neemias, o servo escolhido para ajudar o povo a encontrar o Senhor. Assim como Moisés, era Neemias, o representante do Senhor diante do povo, um copeiro de profissão, um escolhido por vocação. Os filhos possuíram as terras férteis para sua sobrevivência, mas deixaram que seus corações se rebelassem, realmente incansáveis no desagrado ao Senhor.

Que coragem para pecar, que destino, que força maligna atuava dentro deles, para lançarem todo o propósito de Deus, para debaixo dos pés, se esquecendo da lei, matando os profetas, que eram enviados para fazer voltarem ao Senhor. As abominações é recordada diante dos corações, o motivo pelos quais eles estavam naquela condição é manifestado. Se os adversários venceram Israel, foi a concessão divina que permitiu que eles fossem angustiados, mas no tempo da angústia, libertadores surgiram para tirar o povo da mão dos adversários, o Senhor jamais esqueceu o seu povo, mas o seu povo se esquecia dele, voltando a pecar. Tantos foram os castigos, foram também os livramentos, muitas vezes o Senhor voltou-se para eles, a nação que abusava em ironizar a sua doutrina, pervertendo seus mandamentos.

A mão da benignidade permanecia estendida, por muitos anos, o ministério dos profetas, constrangidos pelo Espírito, dedicaram suas vidas, a trazer o povo de volta ao Senhor. Foi pela misericórdia que o Senhor não extinguiu toda a semente israelita. Um clamor envolve o povo, a verdadeira consolação, o momento é histórico, depois de tantas aflições, a aliança se manteve intacta, não foi anulada, nem poderia. “Agora” diz o povo, “nosso Deus”, “o grande, poderoso e terrível Deus”, “não leve em consideração que foi pouco nosso sofrimento”, tudo o que aconteceu é admitido como justo da parte do Senhor, foi eles que quebraram a fidelidade, não o Senhor, os reis, príncipes, sacerdotes, os pais, pisaram em cima da lei, cometeram o grave pecado de fechar os ouvidos, na muita abundância negaram o Senhor, numa terra fértil concedida gratuitamente não o serviram, nem se converteram de suas más obras, logo, seu destino não poderia ser outro se não serem entregues aos inimigos.

Caríssimos, o Senhor arrebatou sua igreja das mãos dos inimigos, ainda que ela sofra investidas, não pode ser abalada. Como aqueles levitas que exaltavam o Senhor, pela liberdade diante de tão terrível exílio, assim seja você neste momento, levante, exalte o Senhor, pois mais foram as vitórias do que as derrotas em sua vida, tendo a promessa que ele te levará ainda a um descanso mais sublime (Hebreus 4:9-10). Ainda que estivessem em sua terra, Jerusalém, o povo sentia que continuava como servos, sob o jugo dos reis, seus pecados foram sua própria prisão. Não se sujeitaram a serem dominados pelo Senhor, ele deixou que outros dominassem suas vidas. Não estavam de todos livres, a angústia fora apenas aliviada, “todavia”, aquele povo que voltou do exílio fez uma firma aliança, registrada e selada, atestando que seriam fiéis ao Senhor, obrigados sob maldição e sob juramento a seguir toda a sua lei, “dada por meio do servo de Deus Moisés e a obedecer fielmente a todos os mandamentos, ordenanças e decretos do Senhor, o nosso Senhor” (Neemias 10:29).

Ah! se tivessem persistidos em andar por ela, se de uma vez tivessem obedecido, como fez o fiel servo Abraão e Moisés, o Senhor os teria poupado. Mas, como nada anula os projetos do Senhor, ainda mais uma vez, um servo fiel, Neemias, fez a sua parte, resgatou a esperança, ele mesmo sabia que ela levaria a Cristo, e Cristo a Deus. Você está agora diante do Senhor irmão , irmã, você foi comprado por preço, sangue, nada que faça poderá pagar o bem que recebeu, a única coisa que o Senhor requer de ti, é a obediência, você faz parte de um projeto de sucesso, que terminará na volta de Cristo, nesse momento, apenas olhe para o céu e diga como as últimas palavras de Neemias:

“ Em tua bondade, lembra-te de mim, ó meu Deus. “ (Neemias 13:31)

Você está na memória de Deus.

Que ele vos abençoe.

“A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês. “ (2 Coríntios 13:14)

Admin
Admin

Mensagens : 2941
Data de inscrição : 09/07/2010

http://ccbnovascriaturas.forumeiro.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum