AS MARCAS DE JESUS
Paz, a todos os corações e Deus esteja com todos.

Palavra do jovem e palavra de Deus todo domingo.

Eldier






Conhecimento Inato de Deus (Gordon Haddon Clark)

Ir em baixo

Conhecimento Inato de Deus (Gordon Haddon Clark)

Mensagem por Admin em Qui Set 03, 2015 5:52 pm







I. Ainda que a luz da natureza e as obras da criação e da providência de tal modo manifestem a bondade, a sabedoria e o poder de Deus, que os homens ficam inescusáveis, [1] contudo não são suficientes para dar aquele conhecimento de Deus e da sua vontade necessário para a salvação; [2] por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua Igreja [3] aquela sua vontade; e depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da Igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, foi igualmente servido fazê-la escrever toda. [4] Isto torna indispensável a Escritura Sagrada, [5] tendo cessado aqueles antigos modos de revelar Deus a sua vontade ao seu povo. [6]

1. Rom. ii. 14, 15; Rom. i. 19, 20; Sal. xix, 1-3; Rom. i.21; ii.
2. 1 Cor. i. 21; 1 Cor. ii. 13, 14.
3. Hebreus i. 1.
4. Prov. xxii. 19, 20, 21; Lucas i. 3, 4; Rom. xv. 4; Mat. iv. 4, 7, 10; Isa. viii. 19, 20;
5. 2 Tim. iii. 15; 2 Pedro i. 19.
6. Hebreus i. 1, 2.



Esta primeira seção da Confissão de fé de Westminster afirma que a luz da natureza nos dá algum conhecimento de Deus. O que a Confissão quer dizer com “a luz da natureza”? Isto significa o senso comum? Significa que a experiência imprime uma idéia sobre Deus na mente de todos os homens? Significa que a existência de Deus pode ser rigorosamente demonstrada a partir da observação de um fenômeno natural, como os teoremas da geometria são rigorosamente demonstrados a partir de axiomas?

Por exemplo, ao acompanhar o diagrama abaixo, pode-se demonstrar corretamente que o ângulo 1 é igual ao ângulo 3. A prova é: o ângulo 1 mais o ângulo 2 são iguais a uma linha reta, ou 180 graus; o ângulo 2 e o ângulo 3 são iguais a uma linha reta também, visto que tanto a linha AB como a linha CD são linhas retas; portanto, ao subtrair o ângulo 2 de 180 graus, teremos o ângulo 1 ou o ângulo 3. Portanto, eles são iguais . A prova do teorema de Pitágoras é muito mais complicada, mas cada passo é da mesma forma certo e necessário. Não há como escapar da conclusão. Ela foi cabalmente demonstrada.

Tomás de Aquino, o grande filósofo da Igreja Católica Romana, cria não somente ter elaborado uma demonstração infalível da existência de Deus, mas também que o apóstolo, em Romanos 1:20, garantira tal prova. Já David Hume, a quem nenhuma igreja canonizou, argumentou que todas essas provas são falácias. Todavia, o salmista disse: “Os céus declaram a glória de Deus”. O que isso implica? Caso implique uma prova cosmológica, podemos inferir de maneira legítima que qualquer pessoa intelectualmente incapaz de aprender geometria, e que, portanto, não possa seguir o muitíssimo intrincado argumento cosmológico, não é responsável por seus pecados? O conhecimento é a base da responsabilidade, e o homem o desconhece! Ou, podemos dizer: mesmo que a existência de Deus não possa ser demonstrada, e todas as objeções de Hume aos argumentos sejam corretas, ainda assim a verdade do cristianismo permanece não afetada? Não é possível que o conhecimento de Deus seja inato? Não podemos ter nascido com uma intuição a respeito de Deus, e com esse equipamento a priori para ver a glória de Deus sobre os céus ? Dessa forma, não seríamos forçados aceitar o conceito peculiar de que o apóstolo Paulo, muito séculos antes, teria aprovado as complexidades aristotélicas de Tomás de Aquino.

Essa discussão sobre a possibilidade de demonstrar a existência de Deus não termina com Tomás de Aquino ou David Hume. Hoje, Karl Barth nega qualquer conhecimento natural de Deus. Um dos textos-prova que a Confissão usa é Romanos 1:19, 20, que diz:

Porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis.


Karl Barth, porém, insiste que Paulo falava aos gentios a quem suprira do conhecimento de Deus mediante sua pregação. Barth nega que chineses e indianos, antes de ouvir o Evangelho, possam ter algum conhecimento de Deus inato ou derivado da natureza. Essa é uma interpretação muito incomum de Romanos, e parece ser tão errônea quanto o conceito da aprovação paulina prévia de são Tomás.

Talvez fosse melhor entender a situação nos termos de idéias inatas ou a priori. No ato da criação Deus implantou no homem o conhecimento de sua existência. Romanos 1:32 e 2:15 parecem indicar que Deus também implantou algum conhecimento sobre moralidade. Nascemos com esse conhecimento; ele não é obtido como resultado da experiência sensorial. Com a ajuda desse conhecimento inato, podemos cantar com confiança :

Senhor meu Deus , quando eu maravilhado
Os grandes feitos vejo da tua mão ,
Estrelas , mundos e trovões rolando,
A proclamar teu nome na amplidão ,
Canta minh' alma, então, a ti, Senhor:
Grandioso és tu , grandioso és tu! [1]


Dentro dos limites dessa primeira estrofe, do primeiro capítulo de Romanos e da simples observação do universo, Deus não deve ser chamado Salvador. Ao compositor do hino, entretanto, por sua posição pessoal anterior cristã, pode-se permitir usar o nome de maneira proléptica.

Já a Confissão, a partir de sua construção sistemática, esclarece imediatamente que qualquer conhecimento do grande poder de Deus, demonstrado na criação, é insuficiente para a salvação.

Até mesmo o conhecimento inato de moralidade não fornece nenhuma informação de como ou até mesmo da possibilidade de perdão do pecado. “Por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua Igreja aquela sua vontade”.


Notas:

[1] - Novo cântico, São Paulo: Cultura Cristã,1999, hino nº. 26, p. 21.


Fonte:

What Do Presbyterians Believe?, Gordon H. Clark, páginas 9-11.



Traduzido e adaptado por: Felipe Sabino de Araújo Neto
Cuiabá-MT, 02 de Outubro de 2005.

Este artigo é parte integrante do portal http://www.monergismo.com/. Exerça seu Cristianismo: se vai usar nosso material, cite o autor, o tradutor (quando for o caso), a editora (quando for o caso) e o nosso endereço. Contudo, ao invés de copiar o artigo, preferimos que seja feito apenas um link para o mesmo, exceto quando em circulações via e-mail.

Admin
Admin

Mensagens : 3267
Data de inscrição : 09/07/2010

http://ccbnovascriaturas.forumeiro.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum